9 Atitudes de um dono responsável de gato

Quando pensamos em gatos a primeira coisa que nos vem a mente é um animal totalmente independente e que sabe se cuidar muito bem sozinho. Bem, apesar dessa visão geral que reside na mente de praticamente todas as pessoas, não é bem assim.

Antes de começarmos aqui a discussão de quem é melhor, gatos ou cachorros, já estabelecemos que ambos são animais maravilhosos e precisam ser muito bem cuidados para que permaneçam sempre saudáveis.

Se você está pensando em adotar um gatinho ou já tem um, esse texto é para você. Para mantê-los saudáveis e felizes existem algumas atitudes que todo tutor (sim, escolhemos a palavra tutor deliberadamente, pois não podemos possuir uma vida, somente cuidar dela) deve fazer.

  1. Levar ao veterinário

Apesar de ser uma dica um pouco óbvia, é facilmente esquecida, especialmente por donos de gatos. Gatos não costumam ser tão “escandalosos” quanto cachorros quando estão com algum problema, então, levá-lo regularmente ao veterinário é ideal para identificar problemas de saúde ainda no começo e corrigi-los antes de afetar a qualidade de vida do seu bicho de estimação.

Esqueça essa ideia de animal independente, você é responsável por ele e cabe a você leva-lo regularmente até um profissional de saúde. Você vai regulamente ao médico? Porque o seu gato não deve?

  1. Telas nas janelas

Colocar telas nas janelas da casa ou apartamento. Se parecer uma mudança drástica demais, você não está pronto para cuidar de um gato. Esses animais são escaladores e, como qualquer outro, adoram explorar o ambiente, especialmente nas alturas, sendo assim, todas as janelas, mesmo aquelas que parecem ser pequenas demais ou altas demais, devem ser teladas com uma tela de segurança de abertura apropriada.

Lembre-se sempre, mesmo que ela pareça de difícil acesso, o seu gato vai dar um jeito de alcançar, outra certeza nessa vida é somente a morte. Para que ele não se acidente, melhor prevenir.

  1. Castrar

Tem gente que acha isso uma crueldade e é sim um assunto polêmico, mas faz parte dos tópicos de tutores de animais de estimação. Castrar o seu gato é uma questão vital para manter a saúde dele a longo prazo, isso mesmo, não tem função de somente impedir a procriação, a castração é muito importante para prevenir doenças do trato urinário tais como câncer e aumenta o bem-estar do mesmo (parece engraçado dizer que aumenta o bem-estar, mas os gatos ficam bastante estressados ao não conseguir cruzar de tempos em tempos).

  1. Atualizar as doses de antipulgas

Mesmo que o seu felino não tenha pulgas e/ou carrapatos não é motivo para deixar de atualizar a dose de antipulgas dele. Escolha a marca que melhor te convenha e ministre as doses ao seu gato de acordo com o descrito na embalagem, isso impede que verdadeiras infestações se instalem no seu bicho de estimação e também em sua casa. Além disso, ajuda a prevenir doenças sérias transmitidas por esses artrópodes que, se não identificadas cedo, certamente o levarão a óbito. Nunca deixe de se prevenir quanto a isso, mesmo que o seu seja um “gato de apartamento”.

  1. Hidratação

Garantir que o seu felino está tomando água o suficiente pode ser uma tarefa um pouco árdua, contudo, não impossível. Os gatos não tomam muita água por natureza, mas podemos usar de alguns artifícios para que eles nunca deixem de hidratar-se, tais como, deixar sempre água fresca disponível para ele, assim ele não rejeitará a água com aquele jeitão exigente que bem conhecemos. Outra metodologia muito interessante nesse quesito é usar uma ração que tenha alto teor de umidade, por volta dos 80%.

  1. Caixa de areia sempre limpa

Os gatos são animais extremamente limpos e apreciam que o ambiente a sua volta também esteja (lembre-se do jeitão exigente), sendo assim, manter a caixa de areia limpa é muito importante. Caso eles se deparem com um ambiente extremamente sujo, eles certamente irão procurar outro lugar para fazer suas necessidades. Então, pelo bem-estar do seu gato e da sua residência, caixa de areia sempre limpa.

  1. Escovação

Dessa vez não estamos falando de escovar os pelos do seu gato, uma tarefa bastante simples, inclusive amplamente apreciada pelos felinos, estamos falando de escovar os dentes deles. Sim, essa tarefa será quase impossível e ele te odiará pelo resto do dia, contudo, é extremamente importante para a saúde dele como um todo. Esse hábito evita doenças inflamatórias na gengiva, mau-hálito e outras condições.

  1. Escovação (dos pelos)

Escovar os pelos do seu gato não é uma tarefa tão necessária, já que grande parte deles já estão espalhados por toda a sua residência, mas é bastante interessante que seja feito com alguma regularidade. Pode ser um momento de lazer tanto para você quanto para o seu gato e ainda permite que você avalie a presença de parasitas externos e/ou ferimentos.

  1. Petiscos com moderação

O ideal é que petiscos só sejam dados em momentos de treinamento, pois o seu uso em excesso pode causar sobrepeso muito rapidamente, então, moderação nesse hábito. Por mais que ele pareça feliz naquele momento, não vai ser nada benéfico para a saúde dele (se imagine comendo hambúrgueres diariamente).

 

Essas foram algumas atitudes necessárias para que o seu bicho de estimação tenha uma vida confortável e com muita saúde, sem sustos para o tutor nem para o próprio animal.

 

Essas foram nossas dicas de hoje, logo logo teremos mais.

Quer viajar com o seu pet? Conheça as regras

Todo mundo que tem um animal de estimação quer leva-lo para as viagens que fazem, especialmente aquelas longas em que vamos passar mais de 1 mês fora de casa. Isso se dá não é só pela nossa saudade deles, mas também para que eles não sofram tanto com nossa partida.

Viajar com pet pode ser algo complicado ou extremamente simples, dessa forma, vamos falar mais sobre esse assunto nesse texto para que você saiba tudo o que tem que fazer para que sua viagem não tenha surpresas.

Abordaremos também os meios de transporte mais usados como avião e ônibus e o que normalmente é pedido pelas maiores empresas desses meios de transporte.

O que preciso saber antes de viajar com pet

Antes de colocar o seu cachorro ou gato dentro de uma caixa de transporte, é primordial que você o leve para uma consulta com o veterinário, ele é o profissional indicado para dizer se está tudo certo com a saúde do seu pet e dizer se a viagem é ou não uma boa ideia.

O veterinário também pode te dar dicas maravilhosas sobre como lidar com eventuais enjoos, muito comuns em viagens e também como prevenir que isso aconteça, afinal, você estará viajando com outras pessoas.

Outras perguntas muito importantes que você deve se fazer antes de viajar com pet são as seguintes:

  • Meu animal de estimação já viajou antes? Se sim, foi uma boa experiência?
  • Ele é muito hiperativo ou mais calmo?
  • Ele consegue se acalmar em espaços confinados tais como bolsas e caixas de transporte?
  • Ele é sociável com outras pessoas ou vai estressar-se ao encontrar com estranhos nesses meios de transporte?
  • Meu pet vai apresentar comportamentos que seriam inconvenientes nesses ambientes, tais como latir/miar em excesso?

Se as respostas para essas perguntas forem favoráveis e você tiver o aval do veterinário, hora de passar para questões operacionais. Caso não seja a situação ideal para o seu pet, realmente não recomendamos que você leve o seu bichinho de estimação e comece a procurar por um hotelzinho ou um bom amigo para tomar conta dele durante a sua viagem.

Nem sempre o melhor local é ao nosso lado, não importa o quão nós gostemos e queiramos o bem-estar deles.

Viajando com pet

Está tudo certo e o seu pet vai gostar tanto dessa viagem quanto você, agora é olhar os pormenores.

Viajando de carro com cães e gatos

Acredite ou não cães e gatos tem cintos de segurança específicos para eles de acordo com o seu tamanho. Para bichinhos com menos de 10 kg existem assentos específicos que são segurados no banco do carro, já para animais com mais de 10 kg o cinto de segurança é o ideal, isso faz com que eles fiquem confortáveis e seguros durante a viagem.

Outra opção para animais pequenos são caixas e bolsas de transporte, mas é importante que ele seja acostumado a essa situação antes da viagem.

Ademais, essa é uma medida muito importante para garantir a segurança do seu pet que em casos de freadas bruscas ou até mesmo colisões. O seu pet merece a mesma segurança que você ao se aventurar nas estradas.

Viajando de ônibus com cães e gatos

De modo geral, para viajar com pet de ônibus você precisará, no mínimo, desses dois itens:

  1. Atestado veterinário que ateste que o seu pet está em boas condições de saúde;
  2. Transportá-lo em uma caixa apropriada.

Apesar de essa ser uma regra, fique de olho nas exceções! Absolutamente sempre ligue para a empresa que você pretende contratar para realizar a sua viagem, pois essas podem ter normas específicas para cada situação. Pode ser necessário que você compre um assento a mais para acomodar a caixa de transporte, por exemplo. Por vezes as companhias limitam a quantidade de animais por viagem, então, sempre de olho!

Viajando de avião com cães e gatos

As regras gerais para você viajar com pet variam se é um voo nacional ou internacional e podem ser consultadas no site da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Mas fique sempre ligado no site da companhia aérea que você quer contratar, afinal, cada uma terá regras específicas.

As regras gerais e adotadas por todas as companhias aéreas são:

  • Ter todas as doses de vacinas em dias;
  • Atestado veterinário garantindo a saúde do pet;
  • Avisar com antecedência que viajará com o seu pet, pois existem vagas limitadas;
  • Transportar o seu pet em uma caixa apropriada e resistente que irá acomodá-lo confortavelmente.

Ainda há a opção do seu pet viajar contigo na cabine ou ainda ir no porão da aeronave (um medo para qualquer tutor). Normalmente, para que o animal possa ir na cabine contigo ele deve ter menos de 10 kg com a caixa de transporte. Se esse não for o seu caso, não esqueça de identificar a caixa de transporte e também o seu pet.

Vale ressaltar ainda que algumas companhias aéreas simplesmente não transportam algumas raças de cães, nem mesmo cumprindo com todas as condições acima citadas. E ainda sobra a questão dos voos internacionais.

Nesses casos, é de suma importância que além de você verificar junto a companhia aérea, também verifique as regras do país que você irá visitar. Como, por exemplo, o tempo de quarentena ou mesmo se a raça do seu pet poderá entrar. Isso evitará muitas dores de cabeça como, por exemplo, ter seu pet impedido de desembarcar.

Ficou alguma dúvida a respeito do assunto? Deixa um comentário!

Por hoje foi isso, fica ligado para mais novidades.